«

»

ago
29

Uma Chapecoense bem organizada

O Brasil não jogou bem e acabou sendo derrotado pela Chapecoense. Mas, a derrota não pode ser atribuída à má atuação Xavante.  O verdão entrou no gramado do estádio Bento Freitas muito bem montado e organizado. Mostrou-se um time com qualidade técnica e com bola no chão, algo raro no 3-5-2.

Com bola no chão o 3-5-2 da Chapecoense se mostrou organizado

Mauro Ovelha escalou a Chapecoense num 3-5-2 com uma linha de quatro jogadores no meio de campo. Algo difícil de encontrar no futebol brasileiro. Geralmente os treinadores que optam por esta formação escalam um volante de contenção. No caso do verdão tanto Diego, quanto Everton faziam o vai e vem não havendo um volante mais fixo.

Os três zagueiros foram escalados da forma tradicional. Um na sobra, Dema até sair machucado, Kleber Goiano pela esquerda e Amaral pela direita. Os alas, Medina e Aélson, atuaram todo o momento abertos e eram as saídas para os contra ataques. Voltavam para ajudar na marcação, mas passaram a maior parte do jogo na linha do meio de campo. Então, eram meias-extremos, e não os alas tradicionais.

Na frente da linha de quatro jogadores ficava o camisa 10, Neném, o jogador com mais qualidade técnica do time. Neném se movimentou bastante, aparecia dos dois lados do campo para tabelar com Medina e Aélson. Aproximava de Neílson no ataque, inclusive, foi assim que saiu o gol do jogo.

Neílson é o típico segundo atacante. Muita movimentação recuava para buscar o jogo e abrir espaços. Jean Carlos ficava mais preso no ataque.

No segundo tempo com o placar a seu favor, a Chapecoense postou-se no contra ataque. Característica principal de um time no 3-5-2. É uma tática reativa. Como o Brasil não tinha forças para criar, lançando-se desesperadamente para o ataque o jogo dos visitantes entrou ainda mais fácil no segundo tempo. Tendo assim várias oportunidades de matar o jogo.

A Chapecoense mostrou qualidade, aproveitou um Brasil apático para impor seu jogo. Deu certo. Pior para o Xavante que agora terá que fazer milagres para chegar a classificação.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.