«

»

abr
11

Faceirice cautelosa

Com ânimos exaltados ou tranqüilidade espantosa; discursos vitoriosos ou desculpas esfarrapadas. (…) Os treinadores fazem toda a diferença em uma equipe de futebol. Para o bem ou para o mal. Em Pelotas essa realidade não poderia ser diferente. No Pelotas, muito menos. As três derrotas nas três primeiras partidas derrubaram o técnico Carlos Gavião. Para o seu lugar, Beto Almeida. Personagem de uma verdadeira novela no clube, o técnico já foi muito criticado e exaltado pela torcida áureo-cerúlea. Com um visível domínio sobre a equipe, Beto – que já cursou faculdade de psicologia – agrega diferenciais ao seu trabalho, como discursos trabalhados, vídeos ‘emocionais’ (e não motivacionais), e uma grande dose de confiança. Atualmente colhe os frutos de mais uma boa campanha no comando técnico do Lobão.

Sendo a importância dos técnicos de futebol uma verdade absoluta, resolvi conversar com um ícone do futebol gaúcho. O perfil fake mais verdadeiro de todos os tempos na rede social Twitter: Juarez Roth. Ele começa contando que sempre que dispõe de tempo acompanha os jogos das equipes do interior e revela um carinho especial pelas equipes locais. “Gosto muito da dupla Bra-Pel pelas torcidas que ambos têm“, conta. Juarez Roth é um grande admirador dos treinadores suíços, que criaram o famoso “ferrolho“. Talvez por isso ele não se considere o criador do futebol cauteloso, e sim um “doutrinador da cautela”. Ele afirma que existiram, sim, outros grandes técnicos antes dele, mas que “nenhum deles soube elevar ao nível máximo o futebol cauteloso” como ele o faz.

Falei com ele também sobre a partida entre Pelotas e Grêmio na Boca do Lobo. Beto Almeida conseguiu anular as principais jogadas do ataque gremista e as bolas aéreas pararam no goleiro Fernando Júnior. Juarez acredita que, se houver um novo confronto entre Pelotas e Grêmio, as coisas serão mais complicadas para o áureo-cerúleo. “(Vanderlei) Luxemburgo aprendeu com aquela derrota e não mais abriu mão do seu trio de volantes. Será uma peleia bonita!“, afirma o técnico.

Juarez teve passagens por clubes do "país vizinho".

Com passagens diversas pela dupla Gre-Nal, Roth aposta em uma das duas equipes como campeã do segundo turno do Gauchão, não descarta uma final do interior. “Grêmio e Internacional estão mais atentos e são francos favoritos ao título, mas uma final entre equipes do interior não seria nenhum absurdo“, diz. Quando questionado sobre a possibilidade de treinar alguma outra equipe gaúcha, Juarez brinca: “Creio que eu oneraria muito a folha salarial dos culbes dos interior. Como vocês sabem, cobro caro. E mereço cada centavo. Sou muito bom treinador (risos)”. Quando perguntei sobre o ciclo ‘vicioso’ com a dupla da capital, fui corrigido. “É um ciclo ‘virtuoso’ e acredito que será eterno“.

Muito simpático, Juarez – ao contrário do ‘antagonista’ Celso Roth – atribui seu grande número de fãs ao fato de ser um líder natural para guiar os cautelosos. “Acada dia que passa novos cautelosos vão surgindo e a legião só tende a aumentar“, afirma. Roth também fez elogios a um dos maiores ídolos da atualidade no futebol pelotense: “Vejo o Sotilli como um ícone do futebol bagual. Talvez o maior jogador não-volante gaúcho de todos os tempos!“, diz o técnico, bem humorado.

Para finalizar, o grande Juarez ainda deixa um recado para os pelotenses: “Aos amigos pelotenses peço, principalmente, que evitem as faceirices da qual a cidade costuma levar a fama (risos)”. E sem os famosos ‘resmungos’, completa: “Brincadeiras à parte, fico muito feliz com o reconhecimento e deixo um abraço cauteloso a todos os baguais e prendas desta cidade de enorme tradição futebolística pos estes pagos.“.

Se é que me permites, professor, só discordo em um ponto: seja com três volantes, com jogadas duras, ou com lances tipicamente “brazileiros” do tal “futebol arte“, o desejo por aqui é que as vitórias continuem surgindo para que possamos seguir faceiros com o esporte. Mas, é claro – seguindo vossos ensinamentos – sempre com o pé atrás. Sendo assim, que se consolide a nossa faceirice cautelosa!

3 comentários

Nenhuma menção ainda

  1. Leonardo Crizel disse:

    Muito legal mesmo. É a ficção do fictício, demais!
    Ahh.. e a frase ‘o maior jogador não-volante’ foi uma verdadeira pérola.

  2. Necão disse:

    LEANDRO LOPES MITO, SEM MAIS!

  3. MAICON FAIZÃO disse:

    Não tem mais confronto com o Grêmio KKKKK boaas ferias lobinhos KKKKK lobogay

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.