«

»

mar
05

É hora de juntar os cacos

Que o time do Pelotas é fraco, isto todos nós já havíamos constatado ao longo do primeiro turno do Gauchão. Agora, o fiasco diante do Veranópolis foi uma surpresa até para o mais pessimista dos torcedores do Lobo. Pior do que tomar uma roda do time da região da serra é o fato de que os dirigentes áureo-cerúleos tiveram duas semanas de intervalo para reforçar o elenco e não o fizeram. Pelo contrário, o grupo ficou ainda mais reduzido do que já era anteriormente. A realidade está aí, diante dos olhos de todos: pelo segundo ano consecutivo, o Pelotas irá brigar somente para não cair no estadual.

Acompanhei o jogo de Veranópolis pelo rádio, na transmissão da Rádio Pelotense. O relato dos companheiros traduziu exatamente o que eu já esperava em muitos aspectos. No meio, Claiton – terrivelmente fora de forma – logicamente não conseguiu dar a consistência necessária ao setor de meio-campo. “Talvez pior que o Claiton tenha sido eu, por ter colocado este jogador para jogar”, disse Beto Almeida ao final da partida, num relampejo de sinceridade. Renato Benatti era reserva do Esportivo na pré-temporada e, por consequência, não poderia ter evoluído tanto de uma hora para a outra. E assim sucessivamente….

Mais uma vez o meio do Pelotas depende de Maicom Sapucaia. Mais uma vez o único homem de velocidade é o irregular Clodoaldo. Mais uma vez, o “bombeiro” Beto Almeida é a grande esperança dos áureo-cerúleos. Ano vai, ano vem, as coisas continuam iguais na Boca do Lobo… infelizmente.

Enquanto o Esporte Clube Pelotas não se organizar administrativamente, campanhas como a de 2010 continuarão sendo somente um acaso, e não uma constante na história do clube. O futebol de hoje requer profissionalismo, sequência, convicção. Não há hoje espaço para bruxismos, falta de planejamento e amadorismo. Um clube com mais de 100 anos de história não pode ficar á mercê das ideias de somente uma pessoa (o que ficou ainda mais claro após a saída de César Dias do futebol). Os exemplos de Cruzeirinho e Lajeadense estão aí para provar que, investindo corretamente e de maneira organizada, os frutos podem ser colhidos em relativamente pouco tempo.

Que venha o segundo semestre. Mais uma vez, o Pelotas joga fora a principal competição do seu calendário. Agora a solução é dar força para que Beto Almeida e o seu grupo de jogadores consigam reverter a situação dentro de campo… e torcer para que Canoas, Ypiranga e Cerâmica parem de pontuar !

 

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.