«

»

mar
01

Jogos que vi: Novo Hamburgo 1 x 1 Caxias

Injusto pelo que foi o jogo e sobretudo o segundo tempo. Assim foi o resultado a final do primeiro turno do Gauchão entre Novo Hamburgo e Caxias, dois perigosos adversários do Pelotas na próxima fase do Estadual. Para mim, o Nóia merecia ter vencido na noite de ontem, pois criou mais oportunidades e teve mais ímpeto ofensivo ao longo dos 90. Apesar disso, acho que o título fica em boas mãos com o Caxias, que tem uma bela estrutura e há anos vem fazendo um trabalho correto.

A imagem acima mostra o que foi o primeiro tempo. Paulo Porto amarrou o lateral do Novo Hamburgo, Marlon, colocando o meia Wangler para jogar em suas costas. A dupla Fabinho-Vanderlei foi pouco acionada, mas teve 100 % de efetividade: uma jogada, um gol. O erro de Itamar Schulle foi ter dado muito espaço para Fabinho, jogador mais venenoso da equipe Grená. O erro foi parcialmente corrigido no final do primeiro tempo, quando Clayton entrou, jogando no lado direito e pressionando o lateral do Caxias. A partir daí, os donos da casa tiveram total controle do jogo.
No segundo tempo, Schulle mexeu no Novo Hamburgo e desestruturou o Caxias. Ele passou do 4-4-2 para um 3-5-2 com dois meias, Clayton e Paulinho Macaíba (improvisado no lugar de Leandrinho a partir dos 15 min). Marcio Hahn e Marlon passaram a ser as referências do alvi-azul, que atacava sempre pelos lados. Desta forma, o alvi-azul passou a ter posse de bola e uma maior precisão na saída de jogo. A equipe não ficou desbalanceada, já que Zaquel marcou Wangler de perto e os alas ajudavam a marcar os defensores do adversário que subiam. O Novo Hamburgo, jogando neste sistema, se impôs ao Caxias, marcou um gol e criou muitas oportunidades. Apesar disso, os Grenás conseguiram segurar a pressão e, nos pênaltis, garantiram a taça do primeiro turno do Gauchão.
Entre os destaques do jogo, fico com Marcio Hahn e Zaquel, dois grandes volantes do Novo Hamburgo, e Vanderlei, bom atacante do Caxias. A fragilidade do NH é a zaga, composta pelo atrapalhado André Paulino e pelo inconstante Luis Henrique. Já o Caxias parece um time desinteressado em alguns momentos. Apesar disso, têm um toque de bola envolvente e jogadores técnicos. Os protagonistas da decisão de ontem serão dois páreos duríssimos para o Pelotas e certamente podem ser consideradas as duas melhores equipes do interior Gaúcho na atualidade.

2 comentários

Nenhuma menção ainda

  1. eraldo de oliveira disse:

    boa tarde, concordo parcialmente com você, pois o primeiro tempo foi do caxias e o segundo do novo hamburgo.porém parece que você não viu dois pênaltis não marcados pelo árbitro à favor do caxias.

    1. Mateus Kerr disse:

      Olha, realmente não vi, amigo, e a transmissão da TV também não salientou estes lances. Gostaria de saber se há algum vídeo com estes lances que realmente me passaram despercebidos.
      Quanto à análise, no primeiro tempo o Caxias teve o controle do jogo, a posse de bola, mas as chances de gol foram do Novo Hamburgo. Houve equilíbrio neste sentido.
      Forte abraço !

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.